sábado, 27 de dezembro de 2008

As duas jóias

Narra antiga lenda árabe que um rabino, religioso dedicado, vivia muito feliz com sua família, esposa admirável e dois filhos queridos.
Certa vez, por imperativos da religião, o rabino empreendeu longa viagem ausentando-se do lar por vários dias.
No período em que estava ausente, um grave acidente provocou a morte dos dois filhos amados. A mãe sentiu o coração dilacerado de dor. No entanto, por ser uma mulher forte, sustentada pela fé e pela confiança em Deus, suportou o choque com bravura. Mas uma preocupação lhe vinha a mente: como dar ao esposo a triste notícia? Sabendo-o portador de insuficiência cardíaca, temia que não suportasse tamanha comoção.
Alguns dias depois, num final de tarde, o rabino retornou ao lar. Abraçou longamente a esposa e perguntou pelos filhos... Ela pediu para que ele não se preocupasse. Que tomasse o seu banho, e logo depois ela lhe falaria dos moços. Enquanto o esposa estava no banho, ela fez uma prece e rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão. Alguns minutos depois estavam ambos sentados a mesa. Ela lhe perguntou sobre a viagem, e logo ele perguntou novamente pelos filhos. A esposa, numa atitude um tanto embaraçada, respondeu ao marido: “Primeiro quero que me ajude a resolver um problema que considero grave”. O marido, já preocupado, perguntou: “O que aconteceu na minha ausência? Notei você abatida! Fale e, com a ajuda de Deus, resolveremos juntos!
- Enquanto você esteve fora, um amigo nosso visitou-me e deixou duas jóias de valor incalculável para que eu as guardasse. São jóias muito preciosas! Jamais vi algo tão belo! O problema é que ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las, pois já me afeiçoei a elas. O que você me diz?
- Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento! Você nunca cultivou vaidades... Por que isso agora?
- É que eu nunca tinha visto jóias assim! São maravilhosas!
- Podem até ser, mas não lhe pertencem! Terá que devolvê-las.
- Mas eu não consigo aceitar a idéia de perdê-las!
E o rabino respondeu com firmeza:
- Ninguém perde o que não possui. Retê-las equivaleria a roubo! Vamos devolvê-las, eu a ajudarei. Faremos isso juntos, hoje mesmo.
- Pois bem querido, na verdade, o tesouro já foi devolvido... As jóias preciosas eram nossos filhos. Deus os confiou a nossa guarda e, durante a sua viagem, veio buscá-los. Eles se foram...
O rabino compreendeu a mensagem, abraçou a esposa e, juntos, derramaram muitas lágrimas.

Um bom final de semana!
Até segunda-feira!

4 comentários:

Ana Maria disse...

Um texto bem reflexivo.
Obrigada por tudo que me proporcionou nesse ano.
Desculpe-me por todas minhas falhas.
Tenha um 2009 repleto de luz e muita paz!
Beijos no seu coração!

Regina disse...

Oi Tetê, td bem?!

Adorei seu blog, as mensagens, reflexões, textos... tudo muito lindo, especialmente este post... emocionante e verdadeiro...

Com sua permissão, passarei aqui sempre que puder...

Beijos!!!

Sheila disse...

Que linda mensagem!
bom final de semana, querida amiga.
fique com Deus.

Cris disse...

Miguxinha fofa espero que tenhas passado bem o Natal e te convido para meu niver dia 30 de dezembro no meu cantinho o convite já esta la..não deixe de vir.

Beijinhos 1000

Cris

url:http//www.divagandoefalando.blogspot.com