segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Um Natal de verdade

Para o menininho sujo, de barriga descoberta, as moscas à sua volta não o incomodava. Sol alto e o calor de dezembro dava moleza e desânimo, mas por ser véspera de Natal, Julia se sentia meio fada, meio Papai Noel, a “boa samaritana” talvez. Aproximou-se do menino e perguntou se ele ia esperar o Papai Noel. Ele a olhou como se fosse estrangeira e falasse outro idioma. Como não houve resposta, Julia tornou a perguntar: “Papai Noel não vai na sua casa? Vocês não enfeitaram um pinheirinho com bolinhas coloridas”? O garotinho a olhou de cima a baixo e se manteve calado, porém ela continuou tagarelando: “Hoje é véspera de Natal, a gente dá e recebe presentes, depois tem a ceia com perú recheado, bolo de mel... você nunca viu isso”? Ele fez que não com a cabeça.
Júlia ia continuar seu monólogo quando apareceu uma menina de seus 9 anos, pés descalços e vestido desbotado. “Ele não fala, dona! Mas eu ouvi o que a senhora perguntou a ele, eu sou irmã do Juca e vou responder por ele”...
O nosso Natal é assim: mamãe achou um galho de pinheirinho, lá onde vendem as árvores grandes e nós o colocamos numa lata com terra. Fizemos umas bolinhas com as redes de frutas que Dona Rosa, da venda, joga no lixo. À tardinha, vamos tomar banho e ir à Igreja, porque lá sim é que o Natal é bonito. A senhora nunca foi na Igreja na noite de Natal”? Júlia admitiu que nunca tinha ido, que comemorava o Natal em casa...

E a pequena prosseguiu: “Lá tem uma árvore grande, toda cheia de bolinhas e luzes. O Padre fala bonito, o coral canta muitas músicas... mas não me lembro de ter visto perú ou bolo de mel... também não vi Papai Noel...” Julia nem lembra se respondeu algo a menina, pois quando se deu conta já caminhava rápido com objetivo definido. Chegou em casa e telefonou aos parentes e convidados, retardando o horário para a tradicional ceia natalina para depois da missa de Natal.
Sem o saber, aquela pequena de cabelos despenteados e pés descalços reuniu toda uma família para louvar a Deus. Pequena missionária, com coragem de dizer o que muitos omitem: “Nosso Natal não tem muito aparato, fazemos o que nos é possível, mas no nosso Natal Jesus está presente”.

Que em nosso coração haja um pequeno berço para que Jesus, que nasceu no Natal, possa fazer morada!
- desconheço o autor -

5 comentários:

... Morgana disse...

Oi dinda! Passando para minha visitinha semanal! Eu aprendo muito em cada um de seus cantinhos! Beijos cintilantes. Morgana

Imac by Artes disse...

Tetê querida!
Que conto maravilhoso!
Desejei ser uma pequena missionária como aquela menininha...
Como as coisas de Deus são
simples e belas!
Obrigada pela partilha.
Abraços! Uma linda tarde pra ti.

Néia Lambert disse...

Uma bela história Tetê e que nos traz muito ensinamento.

Beijos

Nana disse...

Como sempre, um post pra tocar nosso coração certo?! Linda história...tomara q todos se lembrem do Ilustre Aniversariante neste Natal. Bj e fk c Deu.s

Orvalho do Céu disse...

Olá, amiga
Quando pegar o Pedrinho vou me lembrar disso, viu???
Bjm de paz