sexta-feira, 15 de maio de 2009

No último dia de Pompéia

Um vento gelado soprava por entre as árvores, pairava no ar alguma coisa sepulcral, mas era um dia comum. Necessário se fazia que a rotina acontecesse.
Na casa Del Vettii as lamparinas ficaram acesas até tarde, uma daquelas reuniões de sempre, com a presença de algumas moças de Herculano. Naquela noite, o “quarto especial” esteve sempre ocupado. O amor se fazia mais intenso.
A música da sala maior enchia a casa. Baco reinava ao lado de Éros. Pam levava os corpos saciados do desejo e inebriados pelo vinho a se contorcerem enlaçados, sensualidade à flor da pele.
Na Casa de Banhos os homens deliciavam-se, as piscinas de água morna e quente estavam cheias. Vez por outra se colocava mais carvão no braseiro para que a noite não tivesse fim.
Na Vila dos Mistérios, num ritual, uma menina lê um oráculo diante da mãe. Outra senhora, envolta em mantos pesados a observa, como a analisar cada palavra proferida. A criada vestida com tecidos leves e descalça passa com a bandeja de iguarias. Curiosa, volta-se de leve como a querer ouvir a leitura.
No Templo d’Apollon uma multidão reunida ora, contempla as inscrições em língua etrusca; a influência da cultura grega, ali presente. Sente o orgulho de ser um povo vindo de muitas conquistas.
Os mais humildes dormiam, sonhavam com a prosperidade que os levaria a usufruir da vida. Nas ruas estreitas algum transeunte retornava à casa. Poucos perceberam um fino fio de fumaça que saía do cume da montanha exalando cheiro estranho.
A manhã surpreendeu muita gente! O cheiro de gazes tóxicos nivelou todas as camadas sociais e finalmente os deixou em sono aparente. Gente apavorada tentava proteger-se. Não havia meios, o ar estava envenenado, os minutos finais foram terríveis. Cenas de carinho, desespero, pavor, estagnação.
Dois dias depois, o Vesúvio arrota uma grossa língua de fogo e sela de vez toda a cidade de Pompéia, Herculano e arredores. Deixando para a posteridade o valioso monumento histórico, macabro mas fascinante, para mostrar que o poder do homem de nada vale diante da natureza enfurecida.
- Luciene Freitas -

Até amanhã!

4 comentários:

Aliny disse...

ihhhhhh q texto complicado ... se entendi foi assim.. o povo daquele lugar ..ou cidade? simbora..continuando eles eram pessoas de posses e ??? perae..miguinha vou ter q reler tah complicado d+ :(

Aliny disse...

voltei :P bom se o fogo nao poupou nem os + humildes..aff Tetê q coisa dificil.. snif.. a natureza ficou enfurecida pq??? ahhhhh;; fala sobre a Natureza neh..entao apaga tudinhuuu;;help.. eu entendo e nao entendo ..vou pular essa pagina ...dpois vc me explica..please..ah qto ao gas o tecnico disse q soh nao explodiu pq eh gas encanado se fosse gas de botijao ja era;; a conta de gas deu 108 reais devido o vazamento..era no registro ..ele tava qse caindo ..affff parece casa de malukos :P ..Bjinhux e um fds xuper feliz;;aki tah frio d+ ... ╫ passatempo p Frida Ï

• Cáah . disse...

muito lindo (:

NADJA disse...

OIE DOLADINHA..É Ñ DÁ PARA MECHER COM A NATUREZA!!...OTIMO FDS..ACHEI LINDO DIVIDO COM VC !!
"Sonhar é navegar em pensamentos...É viver
doces momentos, De uma História saboreada
pela mente e inspirada pelo coração. Sonhar
é estimular a vida. É reviver a emoção."
Beijinhos c0m sabor de pipocas achocolatadaskkkk
aceita umazinha !!!